23 Outubro 2020

Boi gordo: com nova valorização, arroba chega a R$ 271 em São Paulo

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Os preços do boi gordo voltaram a subir nesta sexta-feira, 23, em todas as regiões de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a nova rodada de alta nos preços ocorreu por conta da oferta muito restrita, principalmente de animais que cumprem os requisitos para exportação à China. “Não há indícios de alteração consistente na curva, com todos os fatores apontando o contrário”, diz o analista.

“A demanda doméstica também vai exercer um papel relevante durante o último bimestre, avaliando a entrada do 13º salário, abono de férias e outras bonificações como motivador do consumo. Importante destacar que esse consumo será inferior em relação a anos anteriores, no entanto, será o auge da demanda para este complicado ano de 2020”, assinala Iglesias.

Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 271 a arroba, ante R$ 269 – R$ 270 na quarta-feira. Em Uberaba, Minas Gerais, os preços ficaram em R$ 265 a arroba, contra R$ 264. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os valores chegaram a R$ 263 a arroba, contra R$ 261 a arroba. Em Goiânia, Goiás, a cotação bateu R$ 260, ante R$ 254 – R$ 255. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço ficou em R$ 251 a arroba, ante R$ 249.

No mercado atacadista, os preços da carne bovina também subiram. De acordo com Iglesias, o indicativo é de aumentos mais agressivos na primeira quinzena de novembro, período que contará com a entrada da massa salarial na economia como elemento motivador da reposição entre atacado e varejo. “Com o final do ano, pico do consumo, se aproximando, restará saber qual será a capacidade do consumidor médio de absorver tantos reajustes”, pontua Iglesias.

Com isso, o corte traseiro subiu de R$ 19,50 o quilo para R$ 19,60 o quilo. O corte dianteiro passou de R$ 14,35 o quilo para R$ 14,40 o quilo, e a ponta de agulha subiu cinco centavos, indo a R$ 14,35 por quilo.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,64%, sendo negociado a R$ 5,6310 para venda e a R$ 5,6290 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5660 e a máxima de R$ 5,6350. Na semana, a divisa acumulou queda de 0,25%.

Os preços do boi gordo voltaram a subir nesta sexta-feira, 23, em todas as regiões de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a nova rodada de alta nos preços ocorreu por conta da oferta muito restrita, principalmente de animais que cumprem os requisitos para exportação à China. “Não há indícios de alteração consistente na curva, com todos os fatores apontando o contrário”, diz o analista.

“A demanda doméstica também vai exercer um papel relevante durante o último bimestre, avaliando a entrada do 13º salário, abono de férias e outras bonificações como motivador do consumo. Importante destacar que esse consumo será inferior em relação a anos anteriores, no entanto, será o auge da demanda para este complicado ano de 2020”, assinala Iglesias.

Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 271 a arroba, ante R$ 269 – R$ 270 na quarta-feira. Em Uberaba, Minas Gerais, os preços ficaram em R$ 265 a arroba, contra R$ 264. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os valores chegaram a R$ 263 a arroba, contra R$ 261 a arroba. Em Goiânia, Goiás, a cotação bateu R$ 260, ante R$ 254 – R$ 255. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço ficou em R$ 251 a arroba, ante R$ 249.

No mercado atacadista, os preços da carne bovina também subiram. De acordo com Iglesias, o indicativo é de aumentos mais agressivos na primeira quinzena de novembro, período que contará com a entrada da massa salarial na economia como elemento motivador da reposição entre atacado e varejo. “Com o final do ano, pico do consumo, se aproximando, restará saber qual será a capacidade do consumidor médio de absorver tantos reajustes”, pontua Iglesias.

Com isso, o corte traseiro subiu de R$ 19,50 o quilo para R$ 19,60 o quilo. O corte dianteiro passou de R$ 14,35 o quilo para R$ 14,40 o quilo, e a ponta de agulha subiu cinco centavos, indo a R$ 14,35 por quilo.

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,64%, sendo negociado a R$ 5,6310 para venda e a R$ 5,6290 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5660 e a máxima de R$ 5,6350. Na semana, a divisa acumulou queda de 0,25%.


Fonte Canal Rural

Mais Notícias

Sementes de caju guardadas há 20 anos apresentam 90% de germinação

30-11-2020

Sementes de caju guardadas há 20 anos foram testadas pelas e pela e tiveram índice de germinação de 90%. “Esse resultado é um alento para a ciência, que está preocupada com o declínio crescente de populações de cajueiro”, avalia o Ministério da Agricultura.O resultado do teste animou os pesquisadores, pois a manutenção de sementes em ...

Leia mais...

Primeiro dia de dezembro deve ter temporais, raios e granizo

30-11-2020

A combinação de calor, umidade e um sistema de baixa pressão atmosférica favorece a formação de nuvens carregadas em parte do paísUm sistema de baixa pressão atmosférica se forma na costa do Paraná e mantém o instável nesta terça-feira, especialmente quando associado à grande disponibilidade de calor e umidade presente no estado. No primeiro dia d...

Leia mais...

PR: falta de recursos complica vida da agricultura familiar após ciclone-bomba

30-11-2020

Produtores do Paraná viram lavouras serem destruídas por um ciclone-bomba em junho deste ano. De acordo com a , mais de 170 pequenos agricultores familiares foram prejudicados pelo fenômeno, com perdas de produtividade na banana, palmáceas e mandioca. Para ajudar na recuperação das plantações, o governo entregou na sexta-feira, 27, sacas de adubo a...

Leia mais...

Soja: plantio avança no Brasil mas irregularidade das chuvas segue no radar

30-11-2020

O plantio da 2020/2021 chegou a 87% da área estimada para o Brasil na última quinta-feira,26, contra 81% uma semana antes e os mesmos 87% de um ano atrás. De acordo com a consultoria AgRural, com os trabalhos virtualmente encerrados no Centro-Oeste e já nos talhões finais no Sudeste, Paraná e Rondônia, a semeadura agora segue concentrada no Matopi...

Leia mais...

Com chuvas, plantio da soja acelera e chega a 83% no Brasil, diz consultoria

30-11-2020

Em uma semana ritmo de semeadura avançou quase 10 pontos percentuais e agora está bem próximo da média histórica de plantio para o períodoPor Daniel Popov, de São PauloToda semana o Projeto Soja Brasil trará uma atualização sobre o andamento do plantio da soja em todo o país. Para isso, contará com os dados compilados e levantados pela consultoria ...

Leia mais...

Governo disponibiliza curso online sobre Programa de Sanidade dos Equídeos

30-11-2020

O , por meio do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos do Departamento de Saúde Animal, da Secretária de Defesa Agropecuária, promove o curso de capacitação específica sobre Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos (PNSE). Os interessados podem acessar o curso na , disponibilizada pela Embrapa. A carga horária é de 20 horas e a capacitação de...

Leia mais...

Soja: semana começa com chuvas para o Sul e tempo seco no Nordeste

30-11-2020

Segundo a meteorologia a região Sul receberá chuvas quase em todas as regiões nesta segunda-feira. Na terça ainda choverá por lá. Confira!A semana começa com as chuvas estacionadas sobre a parte Sul e Leste do país.O Rio Grande do Sul pode até registrar temporais nesta segunda-feira, em parte do estado. Já o Nordeste segue com tempo firme e seco ne...

Leia mais...

Décimo terceiro salário: quem tem direito? Quanto vou receber?

30-11-2020

A primeira parcela do décimo terceiro salário deve ser paga até esta segunda-feira, 30. Já a segunda parcela do benefício trabalhista deve ser paga entre 1º e 18 de dezembro aos trabalhadores com carteira assinada. Essas datas valem apenas para os trabalhadores na ativa.Por causa da pandemia da Covid-19, o décimo terceiro dos aposentados e pensioni...

Leia mais...

Assista na íntegra ao Canal Rural News: Novas taxações ao agro

29-11-2020

A partir de janeiro de 2021, os produtores paulistas deixam de ter a isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em insumos agrícolas. Assim como ocorre em São Paulo, o movimento de tributar o agro se espalha por outros estados brasileiros.Para falar dos impactos dessas ações sobre o setor, o comentarista Miguel Daoud conve...

Leia mais...